The world of the drug addict

Gilberto Di Petta

Gilberto Di Petta

The world of the drug addict

Drug addiction undermines intentional consciousness. Whereas in normal consciousness we have a fluid intentionality and our common sense is the obviously pre-reflexive result of this situation, under the influence of a drug intoxication we lose this intentional stability and, as a consequence, suffer from a kind of intentional instability, which we can refer to with the term floating world. This floating world is characterized by splitting, vibration and a multiplication of images which can be both sequential or overlapping. On the other hand, following chronic drug assumption, we have a sort of an intentional dramatic capture or seizure of the world, which we can call frozen world. Lived time, space, the body and other existential parameters differ enormously in these two contrasting ways of being. The crisis of the temporal-spatial vortex eventually and inevitably leads to the blow of the void (le coup de vide): the experience of unreality or no self-experience. The total collapse of the world is the common final result of the breaking down of the temporal and spatial structure of Dasein.

Keywords: Life-world; Addiction; Consciousness; Intentionality; Lived time; Lived space.

 

O mundo do drogadicto

A dependência de drogas compromete a consciência intencional. Na consciência normal, observa-se uma intencionalidade fluida, sendo a realidade compartilhada o resultado pré-reflexivo óbvio desta situação. Sob o efeito da intoxicação por drogas, no entanto, perde-se esta estabilidade intencional e, consequentemente, padece-se de uma espécie de instabilidade intencional, que podemos denominar mundo flutuante. Este mundo flutuante é caracterizado pela desagregação e, vibração e por uma multiplicação de imagens que podem ser sequenciais ou sobrepostas. Por outro lado, como consequência do uso crônico de drogas, observa-se uma captura ou tomada intencional dramática do mundo, que podemos chamar de mundo congelado. O tempo, espaço e corpo vividos, assim como outros parâmetros existenciais, diferem enormemente nestes dois modos-de-ser contrastantes. A crise do turbilhão temporo-espacial leva final e inevitavelmente à queda no vazio (le coup de vide): à experiência de irrealidade ou ausência da experiência de si mesmo. O colapso total do mundo é o resultado final comum da fratura da estrutura temporal e espacial do Dasein.

Palavras-chave: Mundo vivido; Adicção; Consciência; Intencionalidade; Tempo vivido; Espaço vivido.

Fonte: Psicopatologia Fenomenológica Contemporânea, 2017;6(1):15-36.

[PDF]