Ema Bovary somos nós: análise fenomenológica de uma existência possível

Humberto de Almeida

Humberto de Almeida

Ema Bovary somos nós: análise fenomenológica de uma existência possível

O presente trabalho procura analisar, do ponto de vista da psicopatologia fenomenológica, o personagem Ema Bovary, com base na minuciosa descrição oferecida por Gustave Flaubert (1821 – 1880) no romance Madame Bovary (1857). Tal análise utiliza como referências principais os conceitos de Mundo Próprio e Mundo Compartilhado, propostos por Ludwig Binswanger (1957) e ainda, as três formas de existência malograda – Exaltação (Extravagância), Excentricidade e Maneirismo – também concebidas por Binswanger (1972).

Palavras-chave: Existencialismo; Teoria psicológica; Literatura francesa.

Fonte: Psicopatologia Fenomenológica Contemporânea, 2015;4(2):70-88.

[PDF]