Análise fenômeno-estrutural de um caso de depressão utilizando desenhos: acompanhamento psicológico em ateliê de pintura e expressão

Andrés Antúnez, Klyus Freitas, Jacqueline Santoantonio, Deise Amparo e Renata Franco

Andrés Antúnez, Klyus Freitas, Jacqueline Santoantonio, Deise Amparo e Renata Franco

Análise fenômeno-estrutural de um caso de depressão utilizando desenhos: acompanhamento psicológico em ateliê de pintura e expressão

A análise fenômeno-estrutural possibilita compreender a evolução de uma paciente a partir da produção livre de desenhos e de suas verbalizações. Acompanhamos uma pessoa adulta com depressão ao longo de três anos. Em atividade grupal, a paciente produziu desenhos que mostram preocupações e interesses com os detalhes, ritmo de produção lento, porém de modo cuidado e atento. As cores são presentes e suaves. Há pouca expressão de movimento, denotando predomínio da racionalidade sobre a sensorialidade. O sofrimento e o desamparo diminuíram e ela desenvolveu possibilidades associativas entre os acontecimentos depressivos e sua história de vida, o que não ocorria no início do tratamento. A paciente conquistou uma abertura em direção ao porvir, à alteridade e ao reconhecimento do outro. Dessa forma, a interlocução é central no método fenômeno-estrutural onde as evoluções são compreendidas pelo acesso à subjetividade compartilhada. Os mecanismos de ligação e corte se encontram não apenas nas estruturas epilépticas e esquizofrênicas, mas em qualquer estrutura humana, incluindo as vivências depressivas.

Palavras-chave: Análise Fenômeno-Estrutural; Desenhos; Depressão.

Fonte: Psicopatologia Fenomenológica Contemporânea, 2012, 1 (1), 34-63.

[PDF]