A Espacialidade do Melancólico – Parte II

Hubertus Tellenbach

Da Clínica Psiquiátrica da Universidade de Munique (Diretor: Prof. Dr. K. Kolle)

A Espacialidade do Melancólico – Segunda Parte – Hubertus Tellenbach

Análise da espacialidade do Dasein melancólico

A tentativa de uma análise da espacialidade do Dasein melancólico exige primeiramente distinções conceituais. A espacialidade é uma determinação existencial do Dasein. Suas estruturas estão alteradas desde a base no Dasein melancólico. Isso se mostra quando a vivência espacial alterada é tomada como fenômeno. Deve-se diferenciar fenômeno de sintoma. À casuística dos distúrbios na vivência espacial acrescentam-se duas autoexposições. Com base nesse material estendido, demonstram-se as características da espacialidade do Dasein melancólico e do que o encontra intramundanamente. Em ambos, essas características mostram-se no isolamento à pontualidade, à verticalidade, à falta de região e de direção, ao ser-apartado até a perda da profundidade perspectiva. Essas estruturas valem tanto para o espaço vivenciado como para o vivido. Por fim, respondem-se algumas questões levantadas na primeira parte.

Fonte: Psicopatologia Fenomenológica Contemporânea, 2014, 3 (2), 73-108.

[PDF]